terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Leveza

Quando eu resolvi que quero viver levemente, compreendi então que é só uma questão de querer.
A vida pede desapego, descompromisso e isto não é difícil quando se entende que temos este poder.

Resolvi  que não quero apenas viver. Quero viver, sentir, olhar, o mundo é meu.
Ele é de quem resolver pegá-lo. E não quero mais ignorá-lo como tenho feito até agora.


Sei que um dia, quando a vida me cobrar as melhores lembranças, vou me lembrar do vento,do por do sol, da chuva, do barulho do riacho e do carinho que recebi em momento de total desligamento das coisas concretas.

A minha vida é o mundo que farei. É a poesia que vou encontrar mesmo quando os fatos não estiverem em concordância com que espero. Porque meus olhos só verão que existe um mundo lá fora a ser explorado e eu estou pronta para buscar  tudo o que ele possa tornar minha vida melhor.

E isto só depende de mim.

Mágoa

Um olhar de compreensão aqui
Um outro de maldade ali
E a vontade é de ir embora e se esconder.

Mesmo que a bondade se faz presente
A maldade se sobrepõe a tudo.

Quando a gente se abre, se desnuda, queremos ser compreendidos
Mas certas pessoas aproveitam desta  fragilidade e desta exposição para nos ferir.

Mais fácil, estamos vulneráveis, expostos, sem nada para nos apoiar.

E que dor. Por isso muitas vezes nos fechamos em nosso mundo secreto e misterioso aos olhos alheios.
Nossa vida é nossa vida. Precisamos aprender que os outros não enxergam o mundo como nós.

E nunca teremos argumentos suficientes para mostrar como na verdade as coisas são para nós.

As pessoas pré julgam  erroneamente e a gente se magoa.

E ficar se magoando sempre dá um certo cansaço.

Cansaço que cansei de sentir.