terça-feira, 31 de agosto de 2010

INQUIETAÇÃO

Tenho a alma inquieta
Tão inquieta que dói
Tanto que sofro
Tanto que nem sei o quê

Tenho a alma cheia de poesia
Tanto que me faltam palavras
Para explicar o que sinto
Tanto que não consigo
Sentir nada além disso

Num vazio
Um grande vazio
Cheio de dor
De inquietação
De poesia

Tenho muita dor de amor
Dentro de mim...
Amor não consumado
Não vivido
Apenas sonhado

Amor que se foi
Quando mal tinha acabado de chegar
Que não achou tempo
Para se realizar

Dor de amor e de poesia são iguais:
Ambas deixam a alma inquieta
O coração dolorido
E a gente assim
Sem saber onde ir....
              (Letícia Tompson)
      

Nenhum comentário: