domingo, 3 de outubro de 2010

VIAGEM POR SARAMAGO

O fim de uma viagem é apenas o começo de outra.
É preciso ver o que não foi visto,
ver outra vez o que se viu,
ver na primavera o que se virá no verão,
ver de dia o que não se viu de noite,
com sol onde primeiramente a chuva caía,
ver a seara verde, o fruto maduro,
a pedra que mudou de lugar,
a sombra que aqui não estava.

É preciso voltar aos passos que foram dados,
para os repetir, e traçar caminhos novos,
ao lado deles.
É preciso recomeçar a viagem. Sempre.